viernes, 4 de noviembre de 2016

Brasil: Bahia aplica 46% dos agrotóxicos do Nordeste....Por Inês Castilho

biodiversidadla.org


Quantidade de veneno quadruplicou na PB; no PI, relação entre consumo de veneno e área plantada quintuplicou entre 2007 e 2013; Recife lidera ranking nacional de intoxicação.
O volume de agrotóxicos por área plantada dobrou na região Nordeste em sete anos, saltando de 5,47 para 10,61 quilos por hectare (kg/ha) entre 2007 e 2013. A quantidade consumida aumentou de 70 mil toneladas em 2007 a 123 mil toneladas em 2013, enquanto a área plantada teve redução, de 12,8 milhões de hectares em 2007 para 11,6 milhões/ha em 2013. A incidência de intoxicações passou de 1,56 para 5,39 casos por 100 mil habitantes no período, um aumento que não é proporcional e sugere subnotificação.
A relação entre volume de veneno e área plantada, em alguns estados, revela a intensificação: em 2012, era de 31,45 kg/ha em Alagoas e 20,57 kg/ha no Maranhão; em 2013, de 19,75 kg/ha no Ceará. A comercialização de agrotóxicos, de 123 mi toneladas, correspondeu a 10% do consumo legal no país, sendo a Bahia o estado da região que mais aplicou veneno (45,9%), seguido do Ceará (21,9%) e do Maranhão (14,1%).
Recife foi o município com a maior incidência de intoxicações por agrotóxicos entre 2011 e 2014, com 1.818 casos, seguido de São Paulo, com 1.264, e Fortaleza, com 955.
Os dados são do relatório nacional 2016 do programa de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos, do Ministério da Saúde, que traz a incidência de intoxicações por agrotóxicos e dados da comercialização de veneno por área plantada no Brasil entre 2007 e 2013.
De Olho nos Ruralistas publica desde segunda-feira (31/10) uma série com abordagem regional desses dados. Confira aqui as informações sobre a região Sudeste: “Intoxicações por agrotóxico quadruplicam no Sudeste; donas de casa estão entre principais vítimas“. Aqui, os dados sobre a região Sul: “Região Sul consome 23% dos agrotóxicos do país; Paraná só perde para SP e MT“.

SOJA EXPLICA CONSUMO NA BAHIA
 
A Bahia é o estado que mais consumiu agrotóxicos no período estudado, mais de 56 milhões de quilos. O oeste baiano é uma das regiões que mais utilizam o veneno, em lavouras de soja, milho e algodão. Apesar de ser o sétimo maior consumidor no país e aplicar 12 kg de veneno por hectare de área plantada, a incidência de intoxicações em 2013 foi inferior à de estados da região com menor volume de agrotóxicos por área plantada.
No Ceará, a relação entre consumo de agrotóxicos por área plantada triplicou entre 2007 e 2013, passando de 6,62 a 19,75 kg/ha. A incidência de intoxicações foi de 1,91 para 4,86. Em 2013, o comércio de agrotóxicos mais que dobrou no estado, passando de 12 mil toneladas para 27 mil toneladas em menos de um ano.
O Piauí quase quintuplicou o consumo de agrotóxicos em praticamente a mesma área plantada, entre 2007 e 2013. A relação entre volume de veneno e área plantada passou de 1,90 kg/ha para 6,73 kg/ha. A curva de casos de intoxicação, contudo, foi muito mais branda: de 1,06 a 3,3 casos por 100 mil habitantes no período.
Também em Pernambuco o aumento de casos de intoxicação não corresponde ao crescimento do consumo de agrotóxicos: passou de 7 casos, em 2007, para 11 casos por 100 mil habitantes em 2013, enquanto o volume de veneno por área plantada mais que dobrou, de 3,48 kg/ha, em 2007, para 8,60 kg/ha, em 2013.

EM ALAGOAS, CANA-DE-AÇÚCAR
 
De 2011 para 2012 houve um aumento brutal no volume de agrotóxicos em Alagoas: passou de 3,7 mil toneladas para 16,5 mil toneladas. De 2012 para 2013, embora tenha caído para 3,6 mil toneladas o volume consumido, dobrou o número de casos de intoxicação, passando de 6,03 para 12,39 por 100 mil habitantes. A cana-de-açúcar é responsável por 82% da produção agrícola no estado.
Na Paraíba, o volume de agrotóxicos quadruplicou entre 2007 e 2013 (de 372 toneladas para 1,4 mil toneladas), enquanto a área plantada foi reduzida à metade (de 600 mil hectares para 311 mil hectares). De 2010 a 2013, as notificações de intoxicação passaram de 0,37 a 5,06, abaixo da média de todas as regiões do país (com exceção da Região Norte em 2013).
No Maranhão houve um aumento brutal do volume de veneno comercializado entre 2011 e 2012, de 13 mil toneladas para 38 mil toneladas. A relação por área plantada cresceu de 7,32 para 20,57 kg/ha. Em 2013, esses números caíram para 17 mil toneladas e 9,26 kg/ha. Apesar de sua magnitude, a incidência de intoxicações não passou de 0,63 caso em 2012 e 1,07 caso por 100 ml habitantes em 2013 – em subnotificação flagrante.
Também em Sergipe se verifica o processo de intensificação agrícola, com aplicação do triplo de agrotóxicos – de 479 toneladas em 2007 a 1,2 mil toneladas em 2013, com um pico de 1,5 mil toneladas em 2011. A área plantada foi reduzida no período, de 404 mil hectares em 2007 a 386 mil ha em 2013. Os casos de intoxicação foram de 0,05 para 5,37 casos por 100 mil habitantes no período.
No Rio Grande do Norte, processo semelhante: aumenta o volume de veneno, de 510 toneladas para 706 toneladas entre 2007 e 2013, e diminui a área plantada, de 470 mil hectares para 327 mil ha. O número de casos notificados passa de 0,10 em 2007 para 1,24 em 2013.
3 de novembro de 2016


Por Inês Castilho
De Olho nos Ruralistas
Fonte: MST

via:
  http://www.biodiversidadla.org/Principal/Secciones/Documentos/Brasil_Bahia_aplica_46_dos_agrotoxicos_do_Nordeste

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada

Archivo del blog

Datos personales

Mi foto
Malas noticias en los periòdicos, asesinatos, enfermedad, pobreza, dolor, injusticias, discriminaciòn, guerras, lo grave es que nos parece normal.

Ecologia2