martes, 29 de noviembre de 2016

Brasil: Operações de FRACKING para extração do gás de xisto estão proibidas em Londrina...por Não Fracking Brasil






"Juliano ressaltou ainda que até agora o projeto de Lei que proíbe o Fracking no estado ainda não foi aprovado pela Assembleia Legislativa, o que representa um risco para milhões de pessoas".


“A adesão unânime à proposição é a certeza de que a nossa gente e o nosso território estarão protegidos, pois o projeto de Lei cria uma barreira para essa exploração devastadora”, afirmou a Vereadora Lenir de Assis, autora do Projeto de Lei 51/2016.

No encaminhamento da votação, a vereadora chamou atenção para a importância da administração municipal fiscalizar o cumprimento da legislação “para que a exploração do gás de xisto realmente não aconteça em nossa cidade”. Vários parlamentares se manifestaram favoravelmente, confirmando a unanimidade obtida também na primeira votação, há três semanas.

Vilson Bittencourt , lembrou da tragédia de Mariana, que resultou em morte e destruição provadas pelo rompimento da Barragem de Fundão mantida pelas Samarco, Vale e a BHP. “Sabe-se lá como foram aprovados os pareceres e laudos daquela barragem que acabou agredindo a natureza e interrompendo vidas. Os interesses econômicos não podem prevalecer em detrimento da proteção da vida”, ressaltou.

Já a vereadora Elza Correia, afirmou ser fundamental a formulação de uma normatização para esse assunto. “O Fracking é um daqueles casos em que não devemos aceitar passivamente o que dizem os técnicos, muitos deles contratados por empresas e que devem atender outros interesses. Nós estamos defendendo a preservação ambiental, a qualidade de vida das pessoas e a construção de cidades sustentáveis”.

“Segurando as pontas”

Ao encaminhar o voto favorável, a vereadora Sandra Graça, manifestou sua indignação ao que chamou de “equívoco” da Agência nacional de Petróleo e Gás (ANP) ao vender os blocos para exploração do gás de xisto por fraturamento hidráulico, método não convencional altamente devastador, contaminante e consumidor de água e poluidor. “Mas uma vez nós aqui no município estamos segurando as pontas das políticas públicas equivocadas que só trazem prejuízos à comunidade local”, enfatizou.

Nesse sentido, Juliano Bueno de Araujo, coordenador de Campanhas Climáticas da 350.org e fundador da COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida – lembrou que há uma proposta de projeto de Lei que tramita na Câmara Federal desde dezembro de 2015 que proíbe o Fracking no país. “O PL é de autoria do deputado federal Marcelo Belinati, prefeito eleito de Londrina, e que será o responsável por fiscalizar o cumprimento da medida aprovada pelos vereadores”, destacou.

Juliano ressaltou ainda que até agora o projeto de Lei que proíbe o Fracking no estado ainda não foi aprovado pela Assembleia Legislativa, o que representa um risco para milhões de pessoas. “O banimento definitivo da técnica do fraturamento hidráulico para a extração do gás de xisto é o desejo de integrantes da sociedade civil organizada, setor produtivo, academia científica e movimentos religiosos que estão cada vez mais engajados e desejosos da proibição, já que não há nenhuma lei que garanta a situação no estado”.

A campanha contra o o Fracking tem o apoio da CNBB Paraná, da Cáritas Paraná, contando ainda com o engajamento do Arcebispo Dom Orlando Brandes de Londrina, recém nomeado Arcebispo de Aparecida.

Agora, a proposição segue para a CCJ para Redação final e na sequência será encaminhada para a sanção do Executivo. Várias cidades da Região Norte e Norte Pioneiro do Paraná já proibiram o Fracking como Maringá, Arapongas e Cambé, Cornélio Procópio e Ribeirão Claro, entre dezenas de outras.

- Foto por CLM.

Fonte: Não Fracking Brasil

 biodiversidadla.org
 

 http://www.biodiversidadla.org/Principal/Secciones/Noticias/Brasil_Operacoes_de_FRACKING_para_extracao_do_gas_de_xisto_estao_proibidas_em_Londrina

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada

Archivo del blog

Datos personales

Mi foto
Malas noticias en los periòdicos, asesinatos, enfermedad, pobreza, dolor, injusticias, discriminaciòn, guerras, lo grave es que nos parece normal.

Ecologia2